sexta-feira, 29 de junho de 2012

Síndrome das pernas inquietas. Distúrbio dos momentos de repouso.

Síndrome das Pernas Inquietas ou Síndrome de Ekbon é um distúrbio que se caracteriza por agitações involuntárias e sensações desagradáveis nos membros inferiores antes de dormir. É um dos distúrbios do sono.

Síndrome das Pernas Inquietas (SPI) ou Síndrome de Ekbon
by Roberto M.
O que é a Síndrome das Pernas Inquietas
Quais as causas da SPIQuais os possíveis tratamentos para esse mal?
Apesar dos sintomas terem sido relatados em 1685, pelo neurologista Thomas Willis, somente em 1944 é que foi feita uma descrição mais detalhada da síndrome das pernas inquietas.

A Síndrome das pernas inquietas (também conhecida como Síndrome de Ekbon) é uma doença crônica, caracterizada por sensações de desconforto e parestesias nos membros inferiores durante o repouso, gerando urgência em movimentar as pernas para aliviar o incômodo.
O fato da SPI manifestar-se predominantemente durante os momentos de repouso comprometem de modo significativo a qualidade de vida dos portadores.

Muitas pessoas deixam de ir ver um bom filme ou uma peça de teatro por não conseguirem ficar paradas, outras nem um livro conseguem ler.
Há, ainda, aqueles que têm dificuldade de fazer viagens longas ou participar de reuniões sociais e de negócios.

SINTOMAS

O diagnóstico da SPI é feito quando os pacientes relatam os sintomas de sensação desagradável de desconforto nas pernas.
Há os que não conseguem explicar os sintomas e outros explicam como sendo uma sensação desagradável de agulhadas ou prurido interno, que melhoram com movimentos de flexão, extensão e cruzamento das pernas.

Os sintomas da SPI podem interferir na qualidade do sono do paciente e muitas vezes do cônjuge, uma vez que os movimentos podem ser vigorosos.
Relatos da esposa de um portador da síndrome dão conta de que ela chega a perder o sono e ficar contando o tempo das flexões do marido: “algumas noites ele mexe a perna a cada 20 segundos, outras a cada 13 segundos”.

Síndrome das Pernas Inquietas. Distúrbio que atrapalha o casamento.

Estudos mostram que os intervalos entre os movimentos podem variar de 20 a 40 segundos e ocorrem predominantemente na primeira metade da noite.
O incômodo é bastante variável de pessoa para pessoa. Há casos mais leves e casos mais graves. Há relatos, até, de idéias suicidas e separações conjugais devido à síndrome.

Em geral, os sintomas se manifestam durante o repouso noturno e impedem o sono reparador da pessoa. Como consequencia, há prejuizos na vida social do portador da síndrome, pois no dia seguinte, ele fica sonolento, propenso à irritação e inclusive à depressão.
Entretanto, há casos em que os sintoma se manifestam em qualquer momento de repouso, mesmo durante o dia.

PREVALÊNCIA

A síndrome das pernas inquietas pode manifestar-se em qualquer faixa etária. É mais rara na infância; normalmente os sintomas aparecem após os 27 anos de idade e sua incidência aumenta com o envelhecimento.
Mulheres são mais propensas a apresentarem os sintomas em relação aos homens e os idosos são mais prejudicados em ambos os casos.

A Síndrome das Perna Inquietas, ou SPI como é conhecida entre  os médicos, acomete 15% da população adulta.

Síndrome das pernas inquietas. Doença de grande prevalência entre a população.

CAUSAS

A causa da síndrome das pernas inquietas não é bem conhecida. Parece que a SPI tem uma relação com herança familiar em um terço dos casos, mas também pode ter relação com anemia ferropriva e polineuropatia.

A falta de ferro no cérebro pode acarretar uma falha na transmissão de informações do cérebro para as pernas, provocando sensações de incômodo. Isso não significa que a pessoa tenha deficência de ferro, mas sim que pode estar ocorrendo falha no uso desse ferro, diz James Connor, PhD, professor do Departamento de Neurociência e Anatomia da Penn State College of Medicine e coordenador de uma pesquisa realizada na universidade. A tal pesquisa esclareceu que não há degeneração neurológica no cérebro nem perdas ou danos das células cerebrais, apenas falhas de aproveitamento do ferro.

A gravidez pode exarcebar os sintomas e a cafeína também pode provocar piora.
Em adolescentes a doença parece estar associada com estoque baixo de ferro.
Entre as crianças pode haver alguma relação com hiperatividade e déficit de atenção, além de baixos níveis de ferro no sangue, podendo melhorar com ferro-terapia.

Há muita especulação sobre o mecanismo que leva ao aparecimento da SPI ou Síndrome das Pernas Inquietas, mas é possível que seja explicada por uma disfunção do sistema nervoso central, uma vez que drogas dopaminérgicas  como as usadas na doença de Parkinson podem aliviar os sintomas, só que ministradas em baixas doses.

TRATAMENTO

A Síndrome das pernas inquietas é uma doença que, apesar da grande prevalência entre a população, é pouco reconhecida pelos agentes de saúde, motivo pelo qual grande parte dos pacientes não recebem tratamento adequado, embora nos últimos anos tem-se estudado essa doença com mais interesse.
Ainda é preciso muitos estudos, mas alguns medicamentos já têm sido usados para aliviar os sintomas desse incômodo mal.

Nos casos mais leves, recomenda-se o uso de benzodiazepínicos. Nos mais graves drogas dopaminérgicas promovem alívio no sofrimento dos pacientes.
A ingestão do Ferro pode trazer uma melhora temporária. Para isso, é preciso orientação médica, pois não se pode sair por aí tomando medicamentos que contenham Ferro sem verificar se o seu problema é esse mesmo. O excesso de Ferro no corpo pode trazer um tipo de intoxicação que poderá trazer mais resultados negativos do que positivos, por isso a necessidade de procurar um profissional médico.

Ainda não existe tratamento específico para o SPI, pode-se utilizar quatro classes de medicamentos: os dopaminérgicos , os opióides , os benzodiazepínicos e os anticonvulsivantes, mas a American Academy of Sleep Medicine reconhece os dopaminérgicos como mais adequados para obter melhores resultados.
Segundo informa o Dr. Dráuzio Varella em seu site, o Departamento de Medicina e Biologia do Sono da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo - Tel. 11- 2108-7633) atende a pacientes com esses sintomas pelo SUS.

RECOMENDAÇÕES

- Movimentos rítmicos e repetitivos próprios da Síndrome da Perna Inquieta podem ser confundidos com vícios relacionados com tensão ou distração e esses são mais fáceis de serem abolidos, bastando a própria vontade de parar.

Síndrome das Pernas Inquietas. Movimentos rítmicos e repetitivos.

- É extremamente desaconselhável o consumo de álcool, cigarro e cafeína.
- Perto da hora de dormir faça atividades relaxantes para não estimular o cérebro.
- Estabeleça rotinas para o sono: silêncio, horários definidos e pouca luminosidade.
- Banhos quentes antes de dormir ajudam a relaxar e melhoram o sono.
Bibliografia: Revista Neurociências - Síndrome das Pernas Inquietas - Trabalho de Revisão - UNIFESP - Vol. 12 - n° 1

Artigos Recomendados:

2 comentários:

  1. Adorei a matéria porque eu tenho isso e acho que é bem complicado ter a perna pulando a noite inteira. Pior ainda é que muita gente acha que é frescura.
    Obrigada pelas informações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem nada de frescura, Sandra, é uma Síndrome muito inconveniente. Procure um médico, tenho certeza que vai melhorar sua qualidade de vida.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...