quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O que é Lábio leporino, Fissura labial, Goela de lobo, Fenda palatina, Fissura labiopalatal.

A fenda leporina é uma lacuna ou cisão no lábio superior, no céu da boca (palato), ou às vezes em ambos. Ela ocorre quando áreas separadas do rosto não se juntam corretamente durante a gestação.

Fissura labial ou lábio leporino
by Roberto M.
A fissura labial e a fenda palatina, conhecidas popularmente como lábio leporino e goela de lobo, são malformações congênitas, ou seja, alterações que já nascem com o bebê.
Elas ocorrem quando as estruturas que formam o lábio ou o palato superior (céu da boca) não conseguem fundir corretamente durante o desenvolvimento do embrião no útero materno.

A criança, então, nasce com uma abertura no lábio ou no palato, semelhante ao focinho fendido de uma lebre (daí o nome “leporino”).
Essas malformações são de apresentação variável, ou seja, sua gravidade varia: indo desde apenas uma cicatriz labial, até uma fissura labiopalatal completa, quando atinge lábio e palato.

A fissura pode apresentar-se unilateralmente, quando atinge apenas um lado do lábio;

Fissura labial ou lábio leporino unilateral

ou bilateralmente, quando há aberturas dos dois lados.

Fissura labial ou lábio leporino bilateral


O QUE É FISSURA LABIAL

Fissura labial, ou lábio leporino, é uma abertura que começa sempre na lateral do lábio superior, dividindo-o em dois segmentos.

Lábio leporino ou fissura labial incompleta

A aparência do lábio leporino pode variar de um pequeno entalhe no lábio (fissura incompleta) a uma grande lacuna que corre todo o caminho até a narina, estendendo-se até o sulco entre os dentes incisivo lateral e canino, atingindo a gengiva, o maxilar superior e alcançando o nariz (lábio leporino completo).

Fissura labial ou lábio leporino completo


O QUE É FENDA PALATINA

Na fenda palatina ou goela de lobo, a abertura pode atingir todo o céu da boca e a base do nariz,
O aparecimento de uma fenda palatina pode variar a partir de uma abertura na parte traseira do véu palatino para uma fissura completa do céu da boca (palato duro e mole).

Fenda palatina ou fissura palatal

A fissura de palato gera comunicação entre a cavidade oral e a cavidade nasal.
Quando a fenda atinge o palato, existe um grande risco das crianças aspirarem o alimento, o que pode provocar, em certos casos, algumas infecções como otite e pneumonia. Além disso, outra doença que é bastante presente em caso de fissura é a anemia.

INCIDÊNCIA DA FISSURA LABIOPALATAL

Fissura labial e fissura palatal são defeitos faciais, de nascença, muito comuns.
Pesquisas britânicas dizem que no Reino Unido, por exemplo, um em cada 700 bebês nasce com fissura.

O tipo de fissura e sua gravidade variam muito entre as crianças:
     - Quase 50% de todas as crianças afetadas têm uma fenda palatina.
     - Cerca de 25% das crianças afetadas têm uma fissura labial
     - Cerca de 25% têm ambos os tipos, ou seja, uma fissura labiopalatal.

Fissura labiopalatal unilateral é mais comum do que a fissura labiopalatal bilateral que responde por cerca de 10% de todos os casos.
Por razões desconhecidas, fissura labiopalatal do lado esquerdo é duas vezes mais comum do que fissura labiopalatal do lado direito.
A fissura labial simples ou a fissura labiopalatal combinada são mais comuns em meninos, mas uma fenda palatina sozinha é mais comum em meninas.

Fissura do palato e fenda labiopalatal


O QUE CAUSA A FISSURA LABIOPALATINA

A causa exata da fenda não é conhecida.
No entanto, as evidências sugerem que elas são, muitas vezes, causadas por uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

Certos fatores ambientais como drogas, alguns tipos de medicamentos (como anticonvulsivantes e corticoides), deficiência de ácido fólico, tabagismo e uso de álcool pela mãe durante a gravidez podem aumentar o risco do aparecimento da fissura.
Um estilo de vida saudável durante a gravidez pode reduzir o risco de ocorrência de uma fenda labiopalatal. Por exemplo, evitar fumo e álcool, ter uma dieta saudável e evitar o ganho de peso excessivo.

Em outros casos, alguns genes ou mutações genéticas podem ser os responsáveis. Assim, deve-se evitar fazer radiografias durante o período gestacional, principalmente na região abdominal.

DIAGNÓSTICO DA FISSURA LABIOPALATAL

Enquanto uma fissura de lábio geralmente é bastante óbvia, uma fenda palatina está escondida dentro da boca e pode não ser facilmente visível.
Graças a técnicas como a ultrassonografia, o “lábio leporino” pode ser diagnosticado ainda durante a gestação, mas, a maioria dos diagnósticos ainda é feito no momento do nascimento.

No entanto, um tipo de fissura palatal, chamada de fissura de palato submucosa, pode estar escondido atrás do forro do teto da boca.
Este tipo de fenda palatina pode ser difícil de diagnosticar no início e em alguns casos pode não ser evidente por alguns meses ou anos.

Mas, os seguintes sintomas podem indicar uma fissura de palato submucosa e deve-se ficar atento a eles:
     - leite frequentemente saindo pelo nariz ao se alimentar
     - incapacidade de chupar através de um canudo ou soprar velas.
     - fala com som anasalado.

TRATAMENTO DO LÁBIO LEPORINO E DA FENDA PALATINA

O tratamento indicado é mesmo a intervenção cirúrgica e a primeira cirurgia, a do lábio, pode ser feita entre três e seis meses de idade; a operação do palato pode ser feita entre 12 e 18 meses. A época ideal depende, geralmente, de condições clínicas da criança, de aspectos morfológicos e funcionais.
Outros tratamentos podem ser necessários para tratar os sintomas associados, tais como a terapia da fala ou atendimento odontológico.

Para que a criança não tenha refluxo de alimento pelo nariz até que aconteça a cirurgia do palato, as mães são instruídas a desenvolver algumas técnicas de amamentação e assim o bebê consegue uma boa alimentação.
Sem o tratamento adequado, podem surgir algumas graves conseqüências, que podem ser tanto patológicas, como perda da audição, problemas de fala e déficit nutricional, como também sequelas psicológicas que envolvem desde o preconceito social até a rejeição por parte dos pais da criança.

Por isso é sempre bom procurar orientação de todos os tipos, procurando apoio de médicos, dentistas, fonoaudiólogos, nutricionistas e psicólogos. Com ajuda profissional tudo fica mais fácil de entender e de lidar e tanto pais quanto bebês podem viver saudavelmente e sem graves sequelas.

CRONOGRAMA PARA O TRATAMENTO DA FISSURA LABIOPALATAL

O plano de assistência para a maioria das crianças com fissura labial e/ou palatina será o mesmo, mas, é lógico, com as devidas adaptações para atender as necessidades individuais.

Um calendário típico para o plano de cuidados de uma fissura labiopalatal é descrito abaixo:
- após o nascimento até seis semanas: alimentação assistida, teste auditivo e avaliação pediátrica.
- aos três meses: cirurgia para reparar uma fissura labial
- de seis a 12 meses: cirurgia para reparar uma fissura palatina
- aos 18 meses, aos três anos e aos cinco anos: avaliação fonoaudiológica.
- de oito a 11 anos: enxerto ósseo para a fenda na área do osso alveolar (um tipo especializado de osso, que está concebido para acomodar os dentes).
- de 11 a 15 anos: tratamento ortodôntico e acompanhamento do crescimento da mandíbula

- Após a conclusão dos cuidados iniciais, a criança deve participar de consultas ambulatoriais regulares para que sua condição possa ser acompanhada de perto e qualquer problema possa ser tratado.
- Registros importantes são tomados em fases importantes do desenvolvimento: aos 5, 10, 15 e 20 anos. Isso para controlar a forma como o tratamento progrediu ao longo do tempo.

COMO É A CIRURGIA DE REPARAÇÃO DOS LÁBIOS

A Cirurgia de reparação do lábio é normalmente realizada quando a criança tem por volta de três meses de idade.
A criança receberá uma anestesia geral (ela permanecerá dormindo) e o lábio leporino cuidadosamente reparado, incluindo músculos subjacentes.

O nariz é geralmente reformulado ao mesmo tempo.
A operação leva normalmente entre uma e duas horas, embora possa levar mais tempo se a fenda for mais extensa.
A cirurgia deixa uma leve cicatriz, mas o cirurgião irá tentar alinhar a cicatriz com as linhas naturais do lábio para torná-la menos perceptível.

COMO É A CIRURGIA DE REPARAÇÃO DO PALATO

A Cirurgia de reparação do palato é normalmente realizada quando a criança TEM de seis a 12 meses de idade.
Os músculos e o revestimento do palato são rearranjados e, geralmente, não são necessários tecidos extras para complementar a operação.
A operação normalmente leva cerca de duas horas e é levada a cabo sob anestesia geral.

EVENTUAIS CIRURGIAS ADICIONAIS

Em alguns casos, cirurgias adicionais podem ser necessárias para melhorar a aparência e função dos lábios e palato.
Embora, após a cirurgia, o palato funcione adequadamente durante a fala para a maioria das crianças, num pequeno número de casos, pode ainda ser necessário uma nova cirurgia.
Isto acontecerá caso o palato não esteja funcionando adequadamente para uma fala normal ou se algum buraco apareceu no palato durante a fase inicial de cura.

Além disso, caso exista uma fenda no osso alveolar, o cirurgião irá executar uma operação de enxerto de osso para reparar essa fenda alveolar. Isso acontecerá, normalmente, quando a criança alcançar cerca de nove a 12 anos de idade.
Em alguns adultos jovens, a cirurgia deverá ser considerada caso o crescimento das maxilas estiverem desiguais.

TRATAMENTO DOS SINTOMAS ASSOCIADOS AO LÁBIO LEPORINO E À FENDA PALATAL

Terapias de fala e de linguagem
O reparo de uma fenda palatina irá reduzir significativamente a chance de problemas de fala futuras.
No entanto, cerca de metade de todas as crianças com fissura de palato reparada ainda irão precisar de alguma forma de terapia da fala.
Além disso, cirurgia corretiva poderá ser necessária para um pequeno número de crianças que, eventualmente, tenham um acréscimo do fluxo de ar através das narinas quando estiverem falando.

Audição
Um fonoaudiólogo (especialista em audição) irá avaliar a audição da criança no nascimento e uma segunda avaliação terá lugar logo que a criança já tiver feito a cirurgia reconstrutiva. A audição deverá ser avaliada regularmente durante os primeiros anos.

Cuidado dental
Quando a fenda envolve a área alveolar, é comum que os dentes de ambos os lados da fenda fiquem inclinados ou fora de posição. Muitas vezes, pode faltar um dente ou pode haver um dente extra. O dentista deverá monitorar a saúde dental da criança e recomendar um tratamento quando necessário.

Um tratamento ortodôntico, o que ajuda a melhorar o alinhamento e a aparência dos dentes, também poderá ser necessário. O tratamento ortodôntico também vai acompanhar o desenvolvimento dos maxilares e da mordida durante o crescimento.
As crianças com fissura são mais vulneráveis ​​à cárie dentária, por isso é importante incentivá-las a praticar uma boa higiene oral.
Fonte: Cleft lip and palate - NHS Choices (Site de Saúde do Reino Unido)

Artigos Recomendados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...